Covid 19 X Política do Brasil

Por Harlis Barbosa 14/07/2020 - 10:06 hs
Foto: Imagens ilustrativas
Covid 19 X Política do Brasil
Montagem hbsportnews

A nauseabunda politica do Brasil continua tripudiando sobre os milhares de cadáveres enterrados em valas comuns e de outros que nem se quer foram, estes imprestáveis larápios sorrateiros continuam, mesmo depois de verem abarrotadas todas as UTIs do país, eles continuam retardando o máximo possível, ações que se fossem tomadas no tempo certo salvaria outras milhares de vidas.

Na verdade querem aproveitar o caos para tornar tudo emergencial e assim burlar processos licitatórios e uma serie de trâmites que impediriam que mais uma vez o suado dinheiro público escoe pelo ralo, endurecem até que extenuada a moral e a virtude se rendam e deixe que eles sobrevoem em seus helicópteros de ultima geração o mar de féretro deixados ao lado das covas para serem fotografados antes de serem enterrados sem serem velados pelos seus, pois nem isso restou.

Do que adianta governos ficarem preocupados em gastar verbas que seriam para outras coisas agora, mesmo porque na velocidade que esta pandemia se alastra, e até agora não vejo sinal da tal curva chegar, duvido muito que sobre alguma coisa para ser feita senão um hospital de campanha atrás do outro e o que é pior, tardiamente.

Nesta hora em que vemos milhares de órfãos, viúvas, vemos governantes brigando também por números que irão manter elevados ou derrubar os seus status, estão preocupados se podem gastar agora a verba que seria para fazer aquela obra que lhe daria a divulgação, e que também irá servir de palanque na próxima eleição, ao contrário de fazer hospitais que ninguém irá lembrar quando passar a pandemia.

Mas, do jeito que a coisa vem crescendo talvez nem eles estejam aqui para sentar em cima da pilha de dinheiro que economizou por não comprar respiradores, o Covid 19 já provou que não importam se são ricos, pobres, brancos, negros, não importa o credo, está em baixo da ponte ou dentro da mansão de mármore rosa, está no recipiente de garrafa pet cheio de agua colhida no chafariz da praça, ou na borda da taça de champanhe francesa de quem brinda por não ter chegado sua vez, ainda.

É triste ver que no auge desta agonia a maioria dos seres humanos não aprendeu que nada é mais valoroso que a vida, que respirar sem ser impedido pelo tecido de algodão que cobrem nossas vias aéreas só depende de nos seres humanos.

E por falar em seres humanos orgulhosos por terem ido à lua, por ter criado a bomba atômica, o carro elétrico, o genoma, a internet, e que não conseguem fazer um vírus deixar de circular, que só fecha a porta depois de roubado, que sabe o que tem que ser feito, mas não fazemos, e que demora decidir se salva pessoas ou se mantem o caixa em alta, para depois dividirem os calhamaços escondidos em bolsas, malas, paletós, cuecas, como assistimos nos telejornais.

Seres humanos às vezes tão colossais, outras simplesmente,

Seres humanos... Tão nanicos!