Condenado a mais de 100 anos, ex-cabo foge da Rotam; Comando abre sindicância

Comando da PM determinou a instauração de procedimento para apurar como o ex-cabo conseguiu fugir da Rotam

Por Harlis Barbosa 08/10/2019 - 12:32 hs

Condenado a mais de 100 anos, ex-cabo foge da Rotam; Comando abre sindicância
Imagens ilustrativas

 

Helbert de França Silva, condenado por participação em um grupo de extermínio em Mato Grosso, "Os Mercenários", fugiu na tarde deste domingo da prisão do Batalhão da Rotam, onde cumpria pena.

Em nota, o Comando Geral da Polícia Militar informa que determinou a instauração de procedimento para apurar como o ex-cabo conseguiu fugir do local.

Em julho ele foi condenado a 75 anos de prisão pelos crimes de homicídio consumado contra três vítimas e mais uma tentativa contra uma quarta. Esses crimes tornaram-se conhecidos pela população como a Chacina do Cristo Rei. Em junho ele já havia sido punido a 30 anos por homicídio qualificado praticado contra Luciano Militão da Silva e por tentativa de homicídio contra Célia Regina da Silva. Totalizando 105 anos.

 A Polícia Militar informa ainda que equipes já realizaram diligências internas no quartel da Rotam, em áreas do entorno, endereços de parentes e outros locais sem que o ex-militar fosse localizado. E, como ele não foi achado, o comando da unidade formalizou comunicado da fuga ao Comando Geral. E hoje (7) está sendo formalizado o ocorrido junto à 1ª Vara Criminal de Cuiabá, sob Mônica Catarina. 

Apenado pela Justiça e expulso da PM em ato publicado na semana passada, o ex-cabo permanecia recolhido na unidade por conta de determinação judicial, ou seja, recurso interposto por sua defesa e acatado pela Justiça.

A fuga está sendo apurada por meio de uma sindicância instaurada pelo comando do Batalhão Rotam cuja tramitação tem o acompanhamento da Corregedoria Geral da PMMT.

"Os Mercenários"

De acordo com o MPE, o grupo “Os Mercenários”, formado por aproximadamente seis policiais, além de civis, se associaram mediante estrutura ordenada e caracterizada pela divisão de tarefas, com o objetivo de obter, direta ou indiretamente, vantagens de qualquer natureza, mediante a prática de infrações penais.

Conforme apurado durante as investigações, os integrantes do grupo possuíam um aparato para cometer crimes, como armamento sofisticado, rádio amador, silenciador de tiros e diversos carros e motocicletas com placas frias. Estima-se que dezenas de pessoas tenham sido vítimas do grupo. (Com Assessoria)

Fonte: RD NEWS