Mineradora deve gerar até 2,5 mil empregos em Aripuanã - MT

A produção média anual está prevista em 66.7 mil toneladas de zinco, 23 mil toneladas de chumbo e 3.7 mil toneladas de cobre.

Por Harlis Barbosa 05/06/2019 - 08:28 hs

Mineradora deve gerar até 2,5 mil empregos em Aripuanã - MT
Montagem hbsportnews

 

A produção média anual está prevista em 66.7 mil toneladas de zinco, 23 mil toneladas de chumbo e 3.7 mil toneladas de cobre.

 

O governo de Mato Grosso autorizou a licença de instalação (LI) do Projeto Aripuanã, uma mina que vai produzir concentrados de zinco, cobre e chumbo.

A liberação garante um investimento da ordem de US$ 392 milhões de dólares (aproximadamente R$ 1,5 bilhão na cotação atual), por parte da mineradora Nexa Resources, na construção de uma planta industrial. Ao todo, até 2,5 mil empregos devem ser gerados.


A Licença de Instalação autoriza as obras de terraplanagem e construção civil, montagem metalomecânica, abertura da mina subterrânea, pilha de material estéril, depósito de rejeitos e adutora de captação de água. A produção média anual está prevista em 66.7 mil toneladas de zinco, 23 mil toneladas de chumbo e 3.7 mil toneladas de cobre.


Na fase de construção serão 1.600 empregos e, na operação, 750 vagas. No segundo semestre inicia o 1º Ciclo de Desenvolvimento Profissional, em Aripuanã, a primeira de um conjunto de iniciativas da Nexa para capacitar e valorizar a mão-de-obra local.
O CEO da Nexa, Tito Martins, comentou que “o Projeto Aripuanã contribui para o desenvolvimento da indústria mineral no Mato Grosso e fortalece a posição da Nexa Resources como uma das cinco maiores produtoras mundiais de zinco, liderando a produção do minério na América Latina. Nossa expectativa é que em 2021 possamos iniciar as operações”.


“Buscamos incorporar ao Projeto Aripuanã o que há de mais moderno em tecnologia e excelência operacional”, destacou o vice-presidente de desenvolvimento e execução de projetos da Nexa, Valdecir Botassini. Como exemplos, ele descreveu que a opção por uma mina subterrânea vai reduzir a área desmatada e que o projeto tem como meta reutilizar 100% da água, além do depósito de rejeitos dispensar o uso de barragens, pois está planejada uma pilha a seco.


O presidente do Sistema Federação das Indústrias no Estado de Mato Grosso (Sistema Fiemt), Gustavo de Oliveira, disse que “Mato Grosso tem muito a ganhar com esse empreendimento, especialmente os 150 mil habitantes da região Noroeste. A geração de centenas de postos de trabalho, a qualificação dos profissionais que ocuparão esses postos, toda a movimentação no comércio local que o empreendimento vai gerar são motores para o desenvolvimento da região. Tudo isso sem descuidar do necessário compromisso com a sustentabilidade, monitorando constantemente os aspectos sociais e ambientais: esse é o processo de industrialização que a Fiemt defende, pois somente o fortalecimento do setor industrial será capaz de impulsionar a geração de riquezas”.


Mineração e desenvolvimento
Zinco, cobre e chumbo, principais produtos do Projeto Aripuanã, tem vários usos na economia e no cotidiano das pessoas. São empregados nas indústrias automobilística, farmacêutica, eletroeletrônicos e na agricultura.

 Na lavoura, o zinco é um dos micronutrientes essenciais para o desenvolvimento das plantas. E também é utilizado na produção de pneus, aços, fertilizantes, cosméticos e pilhas. Já o cobre se faz presente através do ar-condicionado, fios elétricos e celulares. O chumbo é utilizado na fabricação de bateria, tintas e esmaltes. Conforme a Organização Mundial da Saúde, a falta de zinco na alimentação afeta o sistema imunológico, responsável pelas defesas do corpo humano.


Perfil Projeto Aripuanã
Localização: Serra do Expedito, situada a 25 km de Aripuanã
Produção média anual: 66.7 mil toneladas de zinco, 23 mil toneladas de chumbo e 3.7 mil toneladas de cobre
Investimento previsto: US$ 392 milhões de dólares
Vida útil da mina: mínima de 13 anos, considerando apenas as reservas minerais
Empregos: 1.600 na construção e 750 próprios e 240 terceiros durante a operação
Sobre a Nexa
A Nexa Resources é uma produtora de zinco com mais de 60 anos de experiência no desenvolvimento e operação de ativos de mineração e metalurgia na América Latina. A empresa possui cinco minas subterrâneas, três localizadas nos Andes centrais do Peru e duas localizadas no estado de Minas Gerais no Brasil.

 Duas das minas da Companhia, Cerro Lindo, no Peru, e Vazante, no Brasil, estão entre as 12 maiores minas de zinco do mundo.
Nexa, novo nome da Votorantim Metais, quer conhecer perfil de trabalhadores da região para projeto de mineração
A Nexa, novo nome da Votorantim Metais, iniciou nesta semana uma pesquisa em parceria com o SINE (Serviço Nacional do Emprego) para estudar o perfil dos trabalhadores de Aripuanã.

 A pesquisa é fundamental para a empresa entender as capacidades e as carências dos futuros candidatos que poderiam atuar na implantação e operação da mina de zinco. Além disso, a empresa também quer receber currículos. Interessados devem procurar o posto do SINE para preenchimento dos formulários e entrega de currículos.
Com essas duas iniciativas será possível, por exemplo, elaborar um futuro Programa de Capacitação de Mão-de-Obra, visando ao maior aproveitamento possível dos trabalhadores locais para futuras vagas de emprego.


“Este será um estudo preparatório, que reafirma nosso compromisso em valorizar a mão-de-obra dos profissionais de Aripuanã. Entender as habilidades e as necessidades do mercado de trabalho local é parte da nossa preparação para gerar empregos definitivos na futura mina de zinco”, afirma Marcelo Costa, gerente geral do projeto.
O Projeto Aripuanã prevê a lavra e beneficiamento dos minérios zinco, cobre e chumbo, com previsão de início de operação para o final de 2020.


Currículos também podem ser registrados no site do projeto, pelo endereço www.projetoaripuana.com.br, na seção “Contato”.
A empresa mantém o compromisso de informar a comunidade assim que as vagas de emprego forem abertas.