Vereadora é perseguida na MT-040 e 4 homens acertam o carro dela com tiros

Por Harlis Barbosa 09/04/2019 - 09:31 hs

Vereadora é perseguida na MT-040 e 4 homens acertam o carro dela com tiros
imagem web

Vinícius Lemos

 

Vereadora Giseli Paim, de Santo Antônio do Leverger, relata ter sofrido possível atentado

A vereadora Giseli Paim (PTB), de Santo Antônio do Leverger (a 32 km de Cuiabá), relata ter sofrido um possível atentado na noite de sexta (5), na rodovia MT-040. Segundo a parlamentar, o carro dela foi alvo de tiros disparados por homens que a perseguiam.

Giseli conta que estava com o esposo, o filho, de 12 anos, e uma sobrinha, de 16, em um automóvel Kia Picanto, por volta das 23h. Eles seguiam em direção a Cuiabá.

De acordo com a vereadora, desde que ela deixou Santo Antônio do Leverger, por volta das 23h, um veículo Gol, de cor branca, acompanhava o automóvel dela. “No início, não desconfiei. Achei que fosse apenas um carro seguindo no mesmo sentido”, diz.

Durante o trajeto para a Capital, ela comenta que o Gol se aproximou do Picanto e jogou luz alta em direção ao veículo conduzido por ela. “Isso me atrapalhou na direção do carro, então diminui a velocidade, para deixar o Gol ultrapassar”, narra.

 

Logo que ultrapassou, conforme a vereadora, o Gol trafegou por alguns metros e logo parou. “Havia quatro homens no carro. Eles logo desceram do veículo. Como ultimamente tenho sido muito xingada nas redes sociais e até registrei boletim de ocorrência, tenho me cuidado mais. Logo pensei que iriam me matar”.

“Eu saí em disparada, fiz ultrapassagem do veículo deles e prossegui. Eles, então, entraram no carro e continuaram seguindo a gente” relata Giseli.

 

Vereadora seguia com família neste carro vermelho, Kia Picanto, e, após a ocorrência, registrou boletim na Polícia Miitar, pedindo providências

Ela narra que enquanto fugia dos criminosos, decidiu retornar a Santo Antônio do Leverger. “Estava com medo de conseguirem alcançar meu carro. Como estava mais perto de Santo Antônio, voltei”, diz.

Enquanto retornava para o município, segundo a parlamentar, ela passou por um contorno. “Nesse momento, eles tentaram jogar o Gol em cima do meu carro, mas consegui sair rápido. Nisso, deram três tiros em direção ao meu veículo. Apenas um acertou, no porta-malas”, conta.

Logo que voltoua Santo Antônio do Leverger, a vereadora procurou auxílio da Polícia Militar e foi escoltada pela PM até chegar à Capital mato-grossense. “Hoje estou em Cuiabá, sem saber o que fazer para retornar ao meu município para trabalhar”, lamenta.

 

Possível ataque

 

A vereadora comenta que pode ter sido alvo de um assalto. No entanto, para ela, a hipótese mais provável é de que tenha sido um ataque contra ela. “Acho que pode ser intimidação pelo trabalho que tenho desenvolvido", diz.

Em seu primeiro mandato na Câmara Municipal, Giseli afirma que tem adotado postura combativa. “Eu critico as coisas que vejo que estão erradas e isso incomoda. Recentemente, comentei sobre a ausência de ônibus para a população e mostrei que há crianças no município que estão há um mês sem estudar por falta de transporte do município”.

 

A parlamentar ressalta que costuma receber diversas críticas e xingamentos nas redes sociais. “As pessoas não gostam do fato de eu mostrar as irregularidades. Por isso, criam ‘fake news’ sobre mim e minha família e me ofendem nas redes”, declara.

Ela comenta que recentemente registrou boletim de ocorrência após ser alvo de diversas ofensas e mentiras nas redes sociais. “Isso tudo está sendo investigado pela polícia. Não posso comentar muito, porque está em segredo”, diz.

Giseli conta que registrou boletim de ocorrência nesta madrugada sobre o possível atentado que sofreu. O caso deverá ser apurado pela Polícia Civil, que não se manifestou sobre o caso até a conclusão deste texto. Nenhum suspeito do crime foi identificado até a manhã deste sábado (6).

Apesar do susto na noite passada, Giseli não planeja abandonar a política. "A gente fica com medo. Hoje cedo acordei muito nervosa. Minha família esta horrorizada. Meus pais falaram para eu sair dessa vida. Mas se essas pessoas estão tentando me intimidar pra parar de falar, não vão conseguir", declara.