Toque de recolher: lojas do Centro fecham as portas após supostos arrastões em loja de utilidades e de brinquedos; vídeo

Por Harlis Barbosa 06/02/2017 - 20:23 hs

A orientação de librerar os funcionários foi do Sindicato dos Comerciários do ES.

 

A falta de policiamento nas ruas de Linhares fez com que todas as lojas do centro de Linhares abaixassem as portas na tarde desta segunda-feira (06). O motivo teria sido dois supostos arrastões numa loja de utilidades na Avenida Nogueira da Gama e de brinquedos na Rua Monsenhor Pedrinha. A mesma orientação para dispensar os funcionários foi dada pelo Sindicato dos Comerciários do Espírito Santo em comunicado oficial emitido hoje sem prejuízo nos salários dos colaboradores. "O empregado do comércio no estado do Espírito Santo não podem ficar reféns da insegurança, da violência e do medo”, disse o presidente da entidade Jackson Andrade Silva.

 

Mesmo diante da insegurança, os familiares dos policiais militares destacam que o movimento não tem previsão de chegar ao fim e garantem que não deixarão a sede do 12º. Batalhão da Polícia Militar, no bairro José Rodrigues Maciel, e responsável pela segurança das cidades de Linhares. Sooretama e Rio Bananal. Dois homicídios já foram registrados no município desde que a manifestação foi deflagrada: um no bairro Nova Esperança e outro no distrito de Povoação. Várias ocorrências de furtos em estabelecimentos comerciais, de carros e objetos pessoais também foram registrados.



Sem negociação

 

De acordo com o secretário de Segurança Pública do Espírito Santo, André Garcia, não haverá negociação com os familiares enquanto o policiamento não voltar às ruas. Garcia também solicitou apoio ao ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, que se colocou à disposição para fornecer apoio federal. "Nós adotamos desde o início medidas que tem o propósito de restabelecer a normalidade da prestação de serviço policial militar. A primeira premissa foi a suspensão das conversas até que fosse restabelecida a normalidade, e que os policias possam atender as ocorrências e fazer o patrulhamento ostensivo. Diante da flagrante ilegalidade do movimento, seja um movimento espontâneo ou não, a configuração é claramente posta que não se trata apenas de um movimento espontâneo. O Governo do Estado ajuizou uma ação pedindo a decretação da ilegalidade e a decisão foi dada ontem determinando que o movimento é ilegal, e que as pessoas saiam dos quartéis e permitam que a polícia volte às ruas", disse. 

 

Multa de R$ 100 mil

Caso a decisão judicial não seja cumprida a multa diária é de R$ 100 mil a partir desta segunda-feira (6). "É o que está na decisão judicial e a Procuradoria do Estado vai nos orientar”, disse o secretário. 

 

O comando da Policia Militar (PM) também foi modificado. "A situação emergencial nos levou a adotar muitas medidas, tanto do ponto de vista administrativo quanto judicial, e a solicitação do envio de forças federais para a normalização do serviço do policiamento no Estado. Promovemos a substituição do comandante. O comandante Laércio assumiu uma posição de muita sensibilidade no momento, foi muito sensato e viu a necessidade de alteração, não por questão pessoal, mas em função do momento que estamos atravessando.

 

Quem assumiu foi o Coronel Nilton Rodrigues para a organização do policiamento. Adotamos outras medidas de natureza judicial, já declarando a ilegalidade do movimento. Também houve solicitação para que a gente tenha no Estado, de imediato, por determinação do governador Colnago, que haja forças federais no nosso Estado. Temos policiais a pé em diversos locais e vamos checar isso na Região Metropolitana, com supervisão do comandante e do Coronel Ramalho. Vamos trabalhar com duas frentes para levar segurança para o cidadão para que a vida das pessoas sigam normalmente", informou André Garcia. 

 

Crimes Aumentaram

 

Ainda segundo Garcia, o número de crimes aumentou desde a última sexta-feira (3). "Houve não só o aumento do número de homicídios como de outras ocorrências, isso é fato. A questão é que e infelizmente muitas pessoas se aproveitam dessas circunstâncias para difundir mensagens que geram pânico na população. Por isso que as mensagens oficiais têm sido feitas por vídeos. Só falo com a população através de vídeos ou pela imprensa para que a gente possa passar o que de fato está acontecendo. Não estamos encobrindo nada, houve ocorrências graves em função da ausência de policiamento e exatamente isso que demonstra a necessidade de retomada do serviço. Esse serviço é essencial, não pode descontinuar independentemente de tratativas de interesses corporativos".

 

 Fonte Site de linhares