Secretaria de Meio Ambiente em Colniza apreende traia quase no fim da Piracema

Por Harlis Barbosa 31/01/2017 - 23:10 hs

Proibição ocorreu nos rios que compõem as três bacias hidrográficas.
Quem desrespeitar a lei pode ser multado entre R$ 1 mil a R$ 100 mil.

A secretaria do meio ambiente de Colniza faz apreensão de vários equipamentos e ferramentas de pescadores no Rio Aripuanã quase no fim do período do defeso, neste fim de semana em uma checagem de rotina feita pelo departamento de fiscalização da secretaria do meio ambiente de Colniza foram apreendidos dois motores estilo rabeta e uma grande traia, mais uma arma com vários cartuchos intactos. Segundo o secretário Walisson o dono de tudo isto estava próximo e quando percebeu a fiscalização evadiu do local deixando tudo para trás. Toda traia está e em poder da secretaria do município e a arma em poder da Polícia Judiciaria Civil

O período de defeso da piracema começou (1º) nos rios que compõem as três bacias hidrográficas de Mato Grosso (Paraguai, Amazônica e Araguaia-Tocantins), incluindo as margens que compreendem os rios que ficam na divisa com os outros estados. A proibição acaba hoje 31 de janeiro de 2017.

Segundo a Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema), quem desrespeitar a legislação poderá ter o pescado e os equipamentos apreendidos, além de levar multa que varia de R$ 1 mil a R$ 100 mil, com acréscimo de R$ 20 por quilo de peixe encontrado.

Durante a piracema, só será permitida a modalidade de pesca de subsistência, praticada artesanalmente por populações ribeirinhas e/ou tradicionais, como garantia de alimentação familiar. A cota diária por pescador (subsistência) será de 3 kg ou um exemplar de qualquer peso, respeitando os tamanhos mínimos de captura estabelecidos pela legislação para cada espécie. Estão proibidos o transporte e comercialização de pescado oriundo da subsistência.

 

A modalidade "pesque e solte" ou "pesca por amadores" também estará proibida nos rios de Mato Grosso. Frigoríficos, peixarias, entrepostos, postos de venda, restaurantes, hotéis, e similares terão até o segundo dia útil após o início da piracema para informar à Sema o tamanho de seus estoques de peixes in natura, resfriados ou congelados, provenientes de águas continentais, excluindo os peixes de água salgada.

Não há permissão para declaração de estoque de pescado para pessoas físicas, senão para pescadores profissionais e com a apresentação da DPI (Declaração de Pesca Individual) emitida em seu próprio nome. Estão contemplados na resolução para o caso específico, peixes vivos nativos da bacia para fins ornamentais ou para uso como isca viva.

Mudança do período
Até o ano passado, o período de defeso ocorria entre novembro e fevereiro. Mas estudos realizados pelas instituições que compõem o Conselho Estadual da Pesca (Cepesca) apontaram a necessidade de mudança em razão do comportamento reprodutivo dos peixes.

O monitoramento mostrou que, diferente do que se imaginava, no geral, cerca de 75% dos peixes dos rios do estado iniciam sua fase de ovulação em outubro; e em média 40% terminam esse período em janeiro.

A piracema coincide com a estação das chuvas, quando os peixes migratórios se deslocam rumo à cabeceira dos rios, em busca de alimentos e condições adequadas para o desenvolvimento das larvas e dos ovos. A desova também pode ocorrer após grandes chuvas, com o aumento do nível da água nos rios, que ficam oxigenadas e turvas.

A pesca depredatória e outros crimes ambientais podem ser denunciadas por meio do 0800 647 0111.