Plano de manejo livra Chapada dos Veadeiros da construção de hidrelétricas

Por Harlis Barbosa 05/06/2016 - 22:48 hs

Nas próximas duas semanas, a Secretaria das Cidades e Meio Ambiente de Goiás (Secima) publicará a portaria de aprovação que colocará o plano em vigor que impedirá as obras e apontará normas para preservação do parque

 

Ideia de empresa era dividir a área de uso sustentável e colocar normas mais flexíveis



O Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros está livre de uma grave ameaça às características ambientais: a construção de hidrelétricas no local. O Conselho Consultivo da Área de Proteção Ambiental (Conapa) de Pouso Alto, região que engloba seis municípios vizinhos ao habitat — entre eles, os destinos turísticos de Alto Paraíso, São João d’Aliança e Cavalcante —, encerrou, na tarde de ontem, todas as etapas do Plano de Manejo da APA da área. Nas próximas duas semanas, a Secretaria das Cidades e Meio Ambiente de Goiás (Secima) publicará a portaria de aprovação que colocará o plano em vigor que impedirá as obras e apontará normas para preservação do parque.

Segundo o secretário de Meio Ambiente de Pouso Alto, Júlio Itacaramby, a reunião decidiu os últimos tópicos do plano. “Foram sete encartes. Até setembro, quatro deles tinham sido aprovados. Agora, nós discutimos os pontos de fiscalização, monitoramento e sistemas de gestão da APA”, explicou. O documento é a oficialização do impedimento de construção de 22 pequenas centrais hidrelétricas (PCHs). “Essa questão das hidrelétricas gerou uma grande repercussão e, sem dúvida, a pressão popular ajudou bastante para que fossem proibidas essas construções, mas esse aspecto já estava barrado pela lei”, concluiu.

O projeto das PCHs, orçado em R$ 1 bilhão, foi apresentado à Secretaria de Cidades pela empresa goiana Rialma S/A, há dois anos. Desde então, o assunto é discutido pelo conselho, por moradores, ambientalistas e ruralistas da região. Segundo a empresa, a ideia seria dividir a unidade de uso sustentável em duas: a área do parque nacional, que apenas permitiria atividades de baixo impacto; e o terreno em volta, com normas mais flexíveis. No segundo zoneamento estariam liberadas a pulverização aérea com agrotóxicos, a construção das hidrelétricas e a mineração. Mas, segundo o conselho, essas práticas são barradas por lei.

Com a notícia, frequentadores da reserva se uniram para garantir a preservação do meio ambiente. No Distrito Federal, ativistas organizaram um evento no Jardim Botânico, o S.O.S. Chapada dos Veadeiros, com piquenique e palestras sobre os impactos ambientais que a interferência das hidrelétricas causaria na paisagem do local, além de um abaixo-assinado com cerca de 3 mil nomes contra o plano de manejo. Moradores da área, principalmente aqueles que vivem da atividade turística, também recolheram aproximadamente 24 mil assinaturas.